segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Viajei com: Os Dois Mundos de Astrid Jones - A. S. King


Tudo bem com vocês??? Hoje quero comentar com vocês sobre o livro Os dois mundos de Astrid Jones de A. S. King.

Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional.



O livro é narrado em primeira pessoa, quase totalmente, por Astrid Jones, uma jovem estudante do último ano do Ensino Médio. Astrid tem um relacionamento conturbado com a mãe, que a maior parte do tempo a ignora. O pai é uma pessoa sem muita ambição, para desgosto da mãe da Astrid, e que possui seus próprio problemas. A irmã dela, de quem já foi próxima, tenta ter um bom relacionamento com a mãe, ser popular na escola, e se afastou e não conversa muito com ela. Em resumo: a família dela é estranha.
Astrid, não tem um bom relacionamento familiar, nem amoroso, não é popular na escola, e possui poucos amigos. Uma forma que encontra para compartilhar algo com alguém é enviar seu amor para os passageiros dos aviões que sobrevoam sua cidade.

“Para todo avião, não importa quão longe esteja voando lá em cima, eu mando meu amor. Visualizo as pessoas em seus assentos com seus copos plásticos de refrigerante, suco de laranja, uísque, e eu as amo. Realmente amo. Envio um fluxo constante, visível, disso – amor – de mim para elas. Do meu peito para o peito delas. Do meu cérebro para o cérebro delas. É um jogo que eu faço. É um bom jogo, porque não tem como perder. Faço em todo lugar agora. Quando compro remédio na farmácia, amo a senhora que cuida do lugar. Amo o velhinho que repõe o estoque das prateleiras, amo até o homem do caixa, que tem as mãos insanamente grandes e que me trata mal dia sim, dia não. E eu não me importo se essas pessoas não me amam de volta. Isso não é para ser recíproco. É uma entrega. Porque se eu entregar tudo, então ninguém vai poder me controlar. Porque se eu entregar tudo, estarei livre.”

O interessante nesse livro é que há alguns detalhes da vida de alguns passageiros, para quem Astrid envia amor, e vemos essa conexão entre as histórias. Nos mostra que outras pessoas, enfrentam os mesmo problemas que nós, e que existe formas diferentes de encaramos as mesmas situações.
Como todo o adolescente, Astrid está numa fase de descobertas, tanto de si mesmo, quanto do mundo. E acaba se apaixonando por Dee, uma colega de serviço, que é assumidamente homossexual. E a história vai se desenrolar a partir daí, do envolvimento entre as duas.
A adolescência e juventude são fases onde surgem muitas duvidas, incertezas, e decisões importantes devem ser tomadas. A história nos faz refletir que nossas decisões iram influenciar a nossa vida e a vida de outras pessoas, quem nem sempre então prontos a lhe dar com essas escolhas.
E há toda a questão de morarem em uma cidade pequena, todo mundo conhece todo mundo, todo mundo fala da vida de todo mundo – ISSO ME IRRITA. Sério, me IRRITA.
Quem mora ou já morou numa cidade pequena sabe: todo mundo conhece todo mundo, e sempre tem quem fica cuidando da vida dos outros. E como há pessoas que são tão IDIOTAS, que vivem procurando um motivo para criticar o outro, só um pequeno exemplo: se você tem vários relacionamentos, você é uma qualquer, vulgar; mas se você é na sua, caseira, não está interessada em relacionamento, você é lésbica... Decidam meu bem, porque está complicado.

Começo a me ressentir. Você quer dizer que estamos no século XXI e esse cara é pago para ter conversas corretivas com alunos da escola sobre como eles não devem odiar os outros? Isso não é elementar? Não devia ser automático? Que tipo de espécie somos nós se precisamos de gente que venha falar sobre essa merda? E como, se somos idiotas assim, nós chegamos à lua e ajudamos a construir uma estação espacial?



ADOREI o projeto de filosofia que é desenvolvido pela professora dela, MUITO interessante, e realmente coloca o aluno para pensar, questionar, e pra variar, tem sempre um para criticar... E a evolução da Astrid como pessoa, sua aceitação, seu posicionamento... Foi SENSACIONAL, e não digo apenas com relação a sua homossexualidade, mas com relação a tudo. É melhor livro que já li??? NO, mas é um livro muito bom, que trás várias reflexões.
Então é isso, fica super-recomendada a leitura. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.


2 comentários:

  1. Ana Claudia muito obrigada , Deus te abençoe.
    Recebi as atividades.
    Zilda -Mogi das Cruzes SP.

    ResponderExcluir