sexta-feira, 25 de maio de 2018

TOP 5 - Livros que muitos não gostaram, mas eu amei






segunda-feira, 21 de maio de 2018

Viajei com: Toda luz que não podemos ver - Anthony Doeer



Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o livro Toda luz que não podemos ver de Anthony Doeer.



SINOPSE: Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu. Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial. Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível.


Eu me interesso-me MUITO por livros que se passem durante a Segunda Guerra Mundial, já li alguns, como O Diário de Anne Frank, O Mundo de Anne Frank, Os Colegas de Anne Frank, O Menino do Pijama Listrado, A Menina que Roubava Livros. E há tantos outros que gostaria de ler. E algo que fica bem claro nesse livro é uma velha frase do George Orwell:



O livro é narrado em terceira pessoa, em capítulos curtos, o que acaba tornando a leitura mais rápida, apesar das 500 páginas. E os capítulos vão alternando os pontos de vista, entre Marie, Werner e outros personagens, até que as histórias se entrelaçam. O modo como à história dos personagens se unem é muito legal, achei muito interessante esse entrelaçamento da história deles.
Gostei MUITO do fato do autor não ter pressa para finalizar a obra, não falo do fato do livro ter mais de 500 páginas, mas do destino dos personagens ser apresentado para nós leitores de forma adequada. Pois algo que me irrita muito num livro é o fato do autor enrolar para acontecer o clímax, e quando chega à últimas dez vinte páginas querem resolver tudo, e o faz de forma apressada e algumas vezes não amarram todas as pontas. E isso não acontece aqui:



Apesar do tema pesado, triste e complexo, o autor trás uma escrita bem poética, onde ele explora as sensações do ambiente, os cheiros, os sons, tudo de forma singela.
Apesar de ter gostado muito do livro, achei a história repetitiva em alguns pontos, devido ao fato dos capítulos serem intercalados entre “presente” e “passado”, o que deixou a narrativa confusa no começo, mas aos poucos nos acostumamos com isso.
Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Viajei com: O Som do Amor - Jojo Moyes




Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o livro O som do amor de Jojo Moyes


SINOPSE: "Matt e Laura McCarthy são obcecados pela ideia de herdar a Casa Espanhola — uma construção malcuidada e quase em ruínas no condado de Norfolk, interior da Inglaterra, que tem um valor simbólico para os moradores da região. Para atingir esse objetivo, Laura, a mando do marido, faz todas as vontades do velho Sr. Pottisworth, o proprietário. Entretanto, como o homem nunca deixou nada por escrito, quem acaba por herdar a casa é uma parente distante, Isabel Delancey, uma musicista em busca de um recomeço para a família. Para ela, a construção significa uma oportunidade de dar um jeito em sua conturbada realidade.  Mas Isabel ainda não sabe que se tornou um obstáculo no caminho das ambições do casal. Agora eles querem vingança, e ela terá de encontrar forças para vencer mais essa batalha”.


Esse é um livro sobre superação, traição, ambição e preconceito, de como o ser humano pode ser gentil, bondoso, mas também pode ser cruel, egoísta. Como o livro é narrado em terceira pessoa, conseguimos ver o ponto de vista de todos os personagens. Alguns personagens nos dão repulsa, outros nos causam pena, já outros nos dão raiva.
Gostei do final da história, de como a autora deu um rumo a cada um dos personagens, embora de uma forma um pouco rápida. Ela poderia ter dado uma resumidinha no meio da história e estender um pouco mais o capítulo final.
É um livro legal, que cumpriu seu propósito de me entreter e ser uma leitura agradável. Mas não é um livro que ficou comigo, que me marcou de alguma forma. Esse foi meu primeiro contato com a autora, e sim, pretendo ler mais obras dela.
Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.