segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Livros que pretendo reler em breve.


Tudo bem com vocês??? Em geral na segunda-feira temos um post comentando sobre um livro lido, mas hoje irei listar os livros que eu li antes de criar o blog, e não me sinto a vontade para criar um post sobre eles no momento. Sendo assim, pretendo reler para fazer post sobre eles aqui no blog.

Comer, Treinar, Dormir – Drª Samira Layaun



Ganhei esse livro num sorteio, e nele a médica Samira Layaun discorre sobre a importância da alimentação, do sono e, principalmente, dos exercícios físicos na prevenção e no tratamento de doenças. O livro é bem didático, com exemplos incríveis, muito fácil de compreender.


A hora da estrela – Clarice Lispector



O livro é narrado por Rodrigo, que nós conta às desventuras de Macabéa, uma moça sonhadora e ingênua. E não é nada agradável ver essas desventuras, chega ser incomodo, mas ao começar a sua narrativa, Rodrigo já deixa claro que essa é uma forma de “exorcizar” de Macabéa. Fui obrigada a lê-lo no Ensino Médio, no fim do 3º Ano, e devo confessar que não aproveitei bem a leitura, com a preocupação com o ENEM e o vestibular, fechar nota... Creio que aproveitarei melhor essa segunda leitura.


O Mundo de Sofia – Jostein Gaarden



O livro é um romance, mas que funciona muito bem como um guia básico de filosofia, por esse motivo meu professor de Filosofia da faculdade pediu a leitura dele. Gostei muito da leitura, que é bem didática, com exemplos práticos das teorias filosóficas apresentadas.
Sofia é uma garota de 14 anos, que recebe um bilhete e um convite para fazer um curso de filosofia por correspondência. O livro fica confuso em algumas partes, que ficam claras no final.


A Moreninha – Joaquim Manuel de Macedo



Fiquei interessada nesse livro quando meu professor de Português do 8º Ano (7º Série) passou a adaptação para a turma. E acabei achando uma edição muito antiga, que pertencerá ao meu pai e lendo.
A obra trás as aventuras de quatro estudantes de Medicina – Filipe, Leopoldo, Augusto e Fabrício. Filipe convida os amigos a passarem o final de semana na ilha de Paquetá, na casa de sua avó. Augusto, uma espécie de Don Juan, aposta com Filipe que se caso ele se apaixone por alguma das moças que ali estarão ele escreverá um livro contando sua derrota, e caso ele ganhe o amigo deve escrever, contando a força da inconstância de Augusto.
É um típico romance, com a mulher idealizada, amor impossível e casto, mas que eu amei ler.


Dança com a morte –Jeffery Deaver



Peguei esse livro emprestado da minha tia, e quero ler tudo que esse autor escreveu. Nesse livro conhecemos Lincoln Rhyme, que é considerado o melhor criminalista de Nova York. Assassinatos estranhos acontecem, um sinistro matador de aluguel, conhecido como o Dançarino da Morte, está na cidade para executar um serviço sujo. Com um final surpreendente, bem escrito e amarrado o livro me conquistou, quero muito ler outras obras do autor.


O Xangô de Baker Street – Jó Soares



Li emprestado da biblioteca da faculdade, pois o título me interessou muito, pois Baker Street é o nome da rua onde Sherlock mora. E sim, ele aparece nessa história, que se passa no Rio de Janeiro, em 1886.
Nós temos uma série de assassinatos e o roubo de um valioso violino Stradivarius, um presente de Dom Pedro II à baronesa Maria Luíza.
Dom Pedro recebe a sugestão de convidar Sherlock para investigar esses mistérios. Mas não espere um Sherlock a la Arthur Conan, e sim um Sherlock totalmente “pancada” e altamente hilário.


A Cabana – Willian Young



Li esse livro emprestado do meu padrasto, conta a historia de Mack Allen Phillips e sua família, que passam por um terrível trauma com desaparecimento de sua filha Missy, de seis anos, que foi raptada durante um acampamento de fim de semana. A menina nunca foi encontrada, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são achados em uma cabana perdida nas montanhas.
Três anos e meio depois da "A Grande Tristeza", como eles passam a chamar o episódio, Mark recebe um misterioso bilhete supostamente escrito por Deus, convidando-o para uma visita a essa mesma cabana.
O livro aborda vários questionamentos sobre o relacionamento homem e Deus, gostei muito do livro, e quero muito ver o filme que foi lançado esse ano, o pretendo fazer assim que reler o livro.


A Volta ao mundo em 80 dias – Júlio Verne



Li esse pela primeira vez numa edição bem antigona que pertencera ao meu pai, quero muito a edição bonitona que a Zahar publicou recentemente.



Se fosse conhece apenas o filme com o Jackie Chan, sinto lhe informar que há muitas, muitas diferenças entre o livro e o filme.
No livro conhecemos Phileas Fogg, inglês, solitário e sereno, bem como excêntrico. Sua rotina é inalterável: acorda sempre no mesmo horário, faz a barba, toma café da manhã, e segue ao Reform Club, colocando “quinhentas e setenta e cinco vezes seu pé direito diante do seu pé esquerdo e quinhentos e setenta e seis vezes o seu pé esquerdo diante do seu pé direito”, onde passa o restante do dia até a meia-noite, quando retorna a sua casa. Sendo assim até que num dia ele entra numa discussão a respeito de uma notícia sobre probabilidade de se dar a volta ao mundo em 80 dias. Phileas, que é um perfeito relógio, defende fortemente que a possibilidade é real, enquanto que os colegas acham absurda a ideia, o que culmina em uma aposta, onde Phileas tentará cumprir o trajeto no tempo estabelecido. A viagem é cheio de aventuras, imprevistos e intrigas. AMO a escrita de Verne, que sempre foi um visionário, quero muito ler os demais livros do autor.

Esses são livros que gostei muito quando li, mas que não tenho na minha estante, com exceção de A Hora da Estrela; Comer, Treinar, Dormir e A Cabana.

Espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Detalhes de Harry Potter e a Câmara Secreta


Esse é o segundo post da série sobre os detalhes que a J. K. Rowling inseriu nos livros de Harry Potter, detalhes que a princípio pareceram sem importância ou confusos, e depois fizeram total sentido. É claro que nos primeiros livros isso ocorre com muita mais frequência do que os últimos. SIM – irá ter spoiler e SPOILER dos grandes. Vamos à obra:




No primeiro post eu me esqueci de mencionar a tia Guida, que é mencionada na cena em que Harry recebe a primeira carta de Hogwarts. E ela volta a aparecer no terceiro, sendo importante para os acontecimentos do início da história, ela também é mencionada no quinto livro.



Em Harry Potter e a Câmara Secreta, após Dobby derrubar um pudim Harry recebe uma carta de Mafalda Hopkirk, uma funcionária do Ministério, avisando que ele não pode fazer magia fora de Hogwarts. Mafalda também envia uma carta em Harry Potter e a Ordem da Fênix, avisando da expulsão de Harry.



Em Harry Potter e as Relíquias da Morte ela volta a aparecer, pois Hermione se transforma em um duplo dela, usando a Poção Polissuco, para entrar no Ministério da Magia.



Quando Harry acaba se perdendo no Beco Diagonal e parando na Borgin e Burkes, temos uma breve menção a três objetos que se tornam muito importante em Harry Potter e o Enigma do Príncipe. O primeiro é o Armário Sumidouro, onde Harry se esconde dos Marlfoys. O armário volta a aparecer em Harry Potter e a Ordem da Fênix, quando os gêmeos Weasley trancam um monitor da Sonserina, membro da Brigada Inquisitorial, e Draco usa o armário para trazer Comensais da Morte para dentro de Hogwarts.



Outro objeto que é mencionado nessa cena é a Mão da Glória, que Draco utiliza para escapar durante a batalha em Harry Potter e o Enigma do Príncipe.



Também é mencionado o Colar de opala, que também torna a aparecer em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, pois Draco enfeitiça a Kátia Bell para envia-lo para Dumbledore, mas a tentativa falha e a moça acaba no hospital.



E temos o Diário de Tom Riddle, que tem sua importância nesse livro, mas nós não imaginávamos que ele voltaria a ter importância para a história, até que em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, descobrimos que ele era também uma horcrux de Voldemort.



Então é isso. Espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Leituras de Julho


Tudo bem com vocês??? No post de hoje estarei mostrando as minhas leituras do mês de Julho. Confesso que muito pouco, por se tratar de um mês com 15 dias de férias e levando em consideração que uma das leituras foi um mangá e a outra eu conclui a leitura nesse mês, cerca de 300 páginas. Mas quase conclui Harry Potter e a Ordem da Fênix, faltando menos de 100 páginas para terminar.
Vamos aos livros:



Já fiz post sobre os dois primeiros volumes desse mangá SENSACIONAL. Nesse segundo volume a história fica mais tensa, abordando temas como ética na ciência, genocídio. Mas sem perder o bom humor.



No mês de Julho conclui a leitura desse livro MARAVILHOSO. Que livro incrível, valeu cada uma das 1600 páginas. Também já tem post aqui no blog.
O livro conta a história do jovem Edmond Dantès, que é marinheiro no navio Pharon, do armador Pierre Morrel. Dantès tem um bom emprego, uma linda noiva, sua vida está indo a mil maravilhas, mas tanta felicidade atrai inveja, e Dantès vê tudo o que lhe é querido ser tirado. Um livro cheio de aventura, traição, vingança e delicioso de se ler. Super recomendo.



Essa foi uma releitura. Li a primeira vez na edição comum e agora reli na edição ilustrada, e a experiência é muito diferente. É muito legal ter acesso às imagens das obras, esculturas, locais e outros que são mencionados ao longo da obra. Já fiz post sobre a história e um mostrando os detalhes da edição ilustrada.
Após as aventuras vividas em Anjos e Demônios e O Código Da Vinci, Langdon se vê novamente em apuros ao receber um convite em nome de seu grande amigo e mentor, Peter Solomon, para proferir uma palestra no Capitólio em Washington. Mas ao chegar ao local... nada – nem palestra, nem Peter, nada.
Langdon descobre que fora atraído até ali por Mal’akh – que acredita que os maçons de mais alto grau (grupo ao qual Peter pertence) tenham escondido a fonte de poderes extraordinários sob o Capitólio, e conta com ajuda de Langdon para decifrar as pistas e chegar até essa fonte, e para garantir a cooperação de Robert, Mal’akh sequestra Peter.


Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Espero conseguir ler mais esse mês. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Viajei com: Fullmetal Alchemist: volume 1 e 2 - Hiromu Arakawa


No post de hoje quero comentar com vocês sobre o mangá Fullmetal Alchemist da mangaká Hiromu Arakawa.



Fullmetal Alchemist, em uma tradução literal Alquimista de Aço, é uma série de mangá composta por 27 volumes, que foram publicados entre agosto de 2001 e junho de 2010.
Alguns volumes apresentam 4 capítulos, outros 5, totalizando 108 capítulos. Esse é um mangá classificado como Shonen ou shounen mangá que é um tipo de mangá direcionado para o público jovem masculino, na faixa de idade de 12 a 18 anos, mas isso não impede que nós mulheres gostemos e muito desse mangá.



Essa foi minha primeira experiência com mangá, e eu não teria começado se não tivesse recebido o primeiro volume na caixa surpresa da Nerd ao Cubo. Eu quero voltar a assinar alguma caixa surpresa, talvez a Turista Literário, que é voltado para a literatura, o que não acontece com a Nerd ao Cubo.
Eu já li os dois primeiros volumes, e quando ler mais dois volumes eu volto aqui para comentar com vocês. A obra nos trás a história dos irmãos Edward Elric e Alphonse Elric, que apesar da pouca idade são alquimistas federais, alquimistas contratados pelo governo.
A história dos dois irmãos é contada aos poucos. Descobrimos que a mãe deles faleceu, eles tentaram utilizar alquimia, e a tentativa dá muito errado, e o irmão mais novo perde seu corpo e o mais velho alguns membros, que ele substituiu por membros de aço. Desde então eles procuram a pedra filosofal para restaurar seus corpos.
No primeiro volumes temos os capítulos: Os Dois Alquimistas, O Preço da Vida, A Cidade das Minas e A Batalha no Trem. No primeiro capítulo temos a história dos dois irmãos. No segundo capítulo Edward e Alphonse Elric estão em busca da lendária Pedra Filosofal. Segundo rumores eles vão para uma cidade profundamente devota ao seu Deus e àquele que divulga sua fé, o Pai Cornello. E em seu caminho eles tentam ajudar os moradores de uma cidade que é explorada por um alquimista.



Já no segundo volume temos os capítulos: A Angústia dos Alquimistas, O Braço Direito da Destruição, Depois da Chuva e O Caminho da Esperança. O Coronel Mustang apresenta Ed e Al a um alquimista especializado na transmutação de quimeras falantes, e os garotos aproveitam para se enfurnarem na biblioteca dele em busca de alguma forma de recuperar os seus corpos. Esse segundo volume trás historias mais pesadas, e creio que essa seja a tendência da série.



Esses mangás foram adaptados para animes e filmes, mas ainda não assisti nenhumas dessas adaptações, pretendo assistir quando concluir os mangás. Por enquanto estou gostando muito da história. E embora tenha temas pesados, a história tem alguns alívios cômicos – Edward, o irmão mais velho é de baixa estatura e parece ser bem mais novo do que realmente é, e já seu irmão mais novo, que perdeu o corpo, teve a alma transferida para uma grande armadura, e as reações do Edward quando falam da altura dele são muito engraçadas. Muitos só o levam a sério quando veem o que ele pode fazer.

Quero muito continuar com essa série e super recomendo. Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Detalhes de Harry Potter e a Pedra Filosofal



Tudo bem com vocês??? Como havia prometido irei começar uma série de post sobre Harry Potter. Esse ano completou 20 anos da publicação do primeiro livro da série e 10 anos de lançamento do último livro da série. Já fiz post comentando sobre cada um dos livros, mas esses post serão diferentes.
Nesses post irei comentar sobre pequenos comentários, alguns acontecimentos que J. K. foi inserindo ao longo dos livros, que a principio pareceram sem importância ou confusos, e depois fizeram total sentido. É claro que nos primeiros livros isso ocorre com muita mais frequência do que os últimos. SIM – irá ter spoiler e SPOILER dos grandes.
Os post irão ao ar às sextas-feiras e abordaram um livro por vez. Vamos à obra:



Nós temos uma referência a aparatação e a animagos no primeiro capítulo, quando Dumbledore vai deixa Harry na casa dos Dursley.

Um homem apareceu na esquina que o gato estivera vigiando. Apareceu tão súbita e silenciosamente que se poderia pensar que tivesse saído do chão. O rabo do gato mexeu ligeiramente e seus olhos se estreitaram.

E virou-se para sorrir para o gato, mas este desaparecera. Em vez dele, viu-se sorrindo para uma mulher de aspecto severo que usava óculos de lentes quadradas exatamente do formato das marcas que o gato tinha em volta dos olhos (...)
  

  
Além disso, o fato de Dumbledore deixar o Harry na casa dos Dursley, feitiço de proteção do sangue de Lilian.



Temos uma referencia ao Sirius e a sua moto enfeitiçada.

– Hagrid! – exclamou Dumbledore, parecendo aliviado. – Finalmente. E onde foi que você arranjou a moto?

– Pedi emprestada, Prof. Dumbledore – respondeu o gigante, desmontando cuidadosamente da moto ao falar. – O jovem Sirius me emprestou. Trouxe ele, professor.



Temos uma referência à senhora Figg, que em Ordem da Fênix descobrimos ser um aborto e participar da Ordem. E testemunha em favor de Harry durante o julgamento. Quando os Dursley planejam passar o dia fora, para comemorar o aniversário de Duda.

(...) Todo ano deixavam Harry com a Sra. Figg, uma velha maluca que morava ali perto. Harry detestava o lugar. A casa inteira cheirava a repolho e a sra. Figg lhe mostrava fotografias de todos os gatos que já tivera.



Temos uma menção ao feitiço Avada Kedavra, quando Harry está trancado no armário debaixo da escada, e tenta se lembrar algo dos pais.

Vivia com os Dursley havia quase dez anos, dez infelizes anos, desde que se lembrava, desde que era bebê e seus pais tinham morrido naquele acidente de carro. Não conseguia se lembrar de ter estado no carro quando os pais morreram. As vezes, quando forçava a memória durante longas horas em seu armário, lembrava-se de uma estranha visão: um lampejo ofuscante de luz verde e uma queimadura na testa. Isto, supunha ele, era o acidente embora não conseguisse lembrar de onde vinha toda aquela luz verde. (...)



Na lista de material de Harry temos menção de Bathilda Bagshot, historiadora mágica que é muito importante em Relíquias da Morte. Na cena em que Harry e Hermione vão a Godric’s Hollow, em busca de Bathilda e da espada de Gryffindor e descobrem que na verdade Voldemort a matou e colocou Nagini em seu corpo. O é narrado numa sequência frenética, angustiante e repugnante.



A dúvida do chapéu enviar Harry para a Sonserina ou para a Grifinória é explicado posteriormente em Relíquias da Morte, quando descobrimos que Harry é uma horcrux, ou seja, uma parte da alma de Voldemort está em Harry.



Durante um o banquete inicial do ano letivo, Simas interroga ao Nick Quase Sem Cabeça como foi que o Barão Sangrento havia ficado cheio de sangue, Nick afirmar não saber. Pergunta essa que não damos atenção no momento. Mas em Relíquias da Morte descobrimos que ele matou Helena Ravenclaw, filha de Rowena (fundadora da casa Corvinal) e o envolvimento deles na história das horcruxes.



Harry recebe no natal a capa de invisibilidade que era de seu pai, e depois descobrimos que ela é umas das Relíquias da Morte.


  

Já temos indícios de que Snape é um legismente.

Harry não sabia se estava ou não imaginando, mas parecia estar sempre encontrando Snape por todo lugar em que ia. Às vezes, ele até se perguntava se Snape não o estaria seguindo, tentando apanhá-lo sozinho. As aulas de Poções estavam se transformando numa espécie de tortura semanal. De tão ruim que Snape era com Harry! Seria possível que Snape tivesse descoberto que os meninos haviam lido sobre a Pedra Filosofal? Harry não imaginava como; no entanto, por vezes tinha a horrível sensação de que Snape podia ler pensamentos.
  
Na semana que vem iremos comentar sobre Harry Potter e a Câmara Secreta. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Correio Coruja do mês de Julho


Tudo bem com vocês? No post de hoje irei mostrar o Correio Coruja do mês de Julho. Esse mês eu comprei apenas um livro, e ganhei outro. Estou tentando diminuir a quantidade de livros não lidos na minha estante, pois isso é uma coisa que tem me incomodado.

Pretendo ler Frankenstein com os meus alunos do 8º Ano, para isso comprei essa edição lindíssima da editora Zahar.



A obra é muito curta, e é considerada a primeira obra de ficção cientifica, e surgiu a partir de um desafio: em 1816, com 19 anos, Mary Shelley, e seu futuro marido, Percy Bysshe Shelley, foram passar o verão a beira do Lago Léman, onde também se encontrava o amigo e escritor Lord Byron e o também escritor John Polidori. Lord Byron propôs que os quatro escrevessem, cada um, uma história de terror. Mary ganhou o desafio, e mais tarde transformou o conto em livro. A versão da gênese da história está narrada no prefácio à terceira edição de seu romance.
O romance relata a história de Victor Frankenstein, que ao contrário do que muitos pensam é um estudante de ciências naturais e não a criatura por ele criada, que se quer tem um nome, sendo chamado ao longo do romance de criatura, monstro, demônio, etc...
A história é narrada através de cartas escritas pelo capitão Robert Walton para sua irmã. Walton resgata Victor em pleno Pólo Norte, ao ser recolhido, Frankenstein passa a narrar sua história ao capitão Walton, que a reproduz nas cartas a irmã. Ou seja, a criatura conta sua história a Victor, que conta ao capitão, que por sua conta a sua irmã... Esse fato tira um pouco o crédito da narrativa, pois até que ponto Victor estaria sendo sincero??? Ou qualquer um dos “narradores”???
Mary não criou apenas uma simples história de terror, há várias alusões religiosas no que tange a relação entre criador e criatura. Mary demostrou também sua preocupação com o grande avanço tecnológico vivido na época, com o inicio da Revolução Industrial – até onde podemos ir, em nome do desenvolvimento? A diferença entre o certo e o errado, o ético e o não ético é uma linha muito tênue, muito difícil de estabelecer, tanto é que o tema “aborto” continua a gerar polêmica e discussões.
Temas como amizade, família, amor também são abordados. Assim como o preconceito, ingratidão e injustiça também estão presentes, trazendo a discussão sobre: o homem é mal, ou a sociedade o torna mal??? A criatura é sempre injustiçada, por ser repelida devido a sua aparência, mesmo tendo boas ações, ela é agredida antes de ter uma chance de se defender. Já post sobre a obra aqui no blog: link.

E ganhei de uma vizinha essa edição de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.



Harry Potter e a criança amaldiçoada é a edição impressa do roteiro de ensaio da peça escrita por J.K. Rowling em parceria com Jack Thorne e John Tiffany, ou seja, a história não foi totalmente escrita pela J. K., e não é estruturado na forma de romance como os outros sete livros da série, mas em forma de peça de teatro e se passa exatamente a partir do epílogo de Relíquias da Morte.
Alvo sempre sentiu o peso de ser um Potter, e nunca gostou dessa situação, dessa “exigência” por parte das pessoas para que ele fosse bom em tudo, já que ele é filho do famoso Harry Potter. E para imensa surpresa de todos, na cerimônia de seleção dos alunos para as casas, eis que Alvo é colocado na Sonserina, sim, um Potter na Sonserina, e para piorar, ele não se sai muito bem nas aulas.
Assim como na série de Harry Potter, a amizade é um tema muito presente, mas desta vez, não um trio, mas uma dupla. Em sua primeira viagem no Expresso de Hogwarts, Alvo conhece Escorpio, filho do Draco, com a Astoria, que é uma pessoa FANTÁSTICA.
Mas ao contrário de suas expectativas, Hogwarts não foi um lugar muito divertido para os dois: Alvo apontado e criticado por não ser parecido com o pai. Escopio sofre pelos boatos que se espalham, que Voldemort teria tido um filho, e que essa criança seria Escorpio. E ambos se apoiam se ajudam.
Alvo me lembrou MUITO, MUITO, MUITO mesmo, o Harry no seu quinto ano em Hogwarts, rebelde, impulsivo, o que parece não ter mudado muito, e acaba tornando a relação entre pai e filho muito conturbada. Já post sobre a obra aqui no blog: link.
Como já tenho uma edição, ficarei com a edição que ganhei e trocarei a minha no sebo.

Então foram esses livros que chegaram para mim esse mês. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Viajei com: Bidu - Caminhos


Tudo bem??? No post de hoje irei comentar com vocês sobre o mega fofo Bidu – Caminhos.


Essa é uma das HQs da Grafic MSP, e foi criada por Eduardo Damasceno e Luis Felipe Garrocho.



É muito legal a paleta de cores utilizada – tons mais frios, tristes – que combina muito com a história. Aqui temos a história de Bidu como cachorro de rua e como ele Franjinha se encontram.
É interessante também a forma que eles encontraram para expor os sentimentos e ideias do Bidu e sua turma.




É um livro super fofo e triste, dá muita pena do Bidu. Quero muito ler o próximo, que é Bidu – Juntos. Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.