segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Viajei com: O garoto dos olhos azuis - Raiza Varella


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei conversar um pouco sobre o livro O garoto dos olhos azuis da Raiza Varella, que é o primeiro volume da trilogia Encantado. Durante uma compra na Amazon eu ganhei o direito de escolher um ebook como brinde, e acabei escolhendo esse livro.
 
PhotoFunia montagem

Bárbara é linda, e uma advogada bem-sucedida. Desde que assistiu a uma cerimônia de casamento pela primeira vez, ainda criança, seu sonho é apenas um: percorrer o tapete vermelho da igreja, vestida de noiva e encontrar seu noivo a olhando apaixonadamente. Numa de suas férias na casa da avó, Bárbara decide ir a uma festa na praia, onde tem uma discussão com uma das garotas da festa e é socorro por um lindo garoto de olhos azuis, mas tudo foi muito rápido que ela nem consegue descobrir o nome dele. A lembrança desse garoto a acompanha por vários anos, como uma paixão platônica. Bárbara se muda para São Paulo onde trabalha e divide apartamento com duas melhores amigas e está preste se casar com Miguel.
Quando o tão sonhado dia do casamento chega, Bárbara não se depara com um noivo de olhar apaixonado, mas um que curiosamente olha com frequência para uma de suas melhores amigas, então o pior acontece, ela é abandonada no altar. Tentando fugir da situação ela decide voltar à cidade natal e passa a viver com os irmãos e mais dois amigos. E muitas coisas acontecem enquanto Bárbara tenta superar a lembrança do garoto dos olhos azuis e o quase casamento fracassado.
AMEI a escrita da Raiza, é envolvente, li super rápido, além de ser muito divertida e com diversos momentos de vergonha alheia, pois gente como a Bárbara sabe ser dramática...  E o Ian que amorzinho, e ao final da leitura quase puder escutar a voz do Avast dizendo:




Não achei o desenrolar surpreendente ou original, mas é uma leitura muito gostosa, fluida e divertida. Quero muito ler os próximos, que vão trazer a história dos irmãos da Bárbara. Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Ciência Proibida - Salvador Nogueira - Parte 3


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre a 3º parte do livro Ciência Proibida. Caso queira conferir os post anteriores é só clicar nos links: Post 1, Post 2.


Nessa parte o autor aborda o uso de humanos em experimentos perigosos e desnecessários. É claro que o julgamento de Nuremberg, onde os nazistas foram julgados por crimes de guerra e contra a humanidade, é a fonte de várias normas relacionadas a ética na pesquisa, em especial quando envolveram seres humanos, incluindo o termo de esclarecimento da pesquisa, do seu funcionamento e riscos envolvidos.


1. O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial. Isso significa que a pessoa envolvida deve ser legalmente capacitada para dar o seu consentimento; tal pessoa deve exercer o seu direito livre de escolha, sem intervenção de qualquer desses elementos: força, fraude, mentira, coação, astúcia ou outra forma de restrição ou coerção posterior; e deve ter conhecimento e compreensão suficientes do assunto em questão para tomar sua decisão. Esse último aspecto requer que sejam explicadas à pessoa a natureza, duração e propósito do experimento; os métodos que o conduzirão; as inconveniências e riscos esperados; os eventuais efeitos que o experimento possa ter sobre a saúde do participante. O dever e a responsabilidade de garantir a qualidade do consentimento recaem sobre o pesquisador que inicia, dirige ou gerencia o experimento. São deveres e responsabilidades que não podem ser delegados a outrem impunemente.

2. O experimento deve ser tal que produza resultados vantajosos para a sociedade, os quais não possam ser buscados por outros métodos de estudo, e não devem ser feitos casuística e desnecessariamente.

3. O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação animal e no conhecimento da evolução da doença ou outros problemas em estudo, e os resultados conhecidos previamente devem justificar a experimentação.

4. O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo o sofrimento e danos desnecessários, físicos ou mentais.

5. Nenhum experimento deve ser conduzido quando existirem razões para acreditar numa possível morte ou invalidez permanente; exceto, talvez, no caso de o próprio médico pesquisador se submeter ao experimento.

6. O grau de risco aceitável deve ser limitado pela importância humanitária do problema que o pesquisador se propõe resolver.

7. Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante do experimento de qualquer possibilidade, mesmo remota, de dano, invalidez ou morte.

8. O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas. Deve ser exigido o maior grau possível de cuidado e habilidade, em todos os estágios, daqueles que conduzem e gerenciam o experimento.

9. Durante o curso do experimento, o participante deve ter plena liberdade de se retirar, caso ele sinta que há possibilidade de algum dano com a sua continuidade.

10. Durante o curso do experimento, o pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentos em qualquer estágio, se ele tiver razoáveis motivos para acreditar que a continuação do experimento causará provável dano, invalidez ou morte para o participante.

Quando falamos em atrocidades e pesquisas macabras, logo nos lembramos dos nazistas, de Mengele, o Anjo da Morte. Mas os nazistas não foram os únicos a realizarem experimentos cruéis. Muitos aliados realizaram experiências bem horripilantes, sem que os voluntários soubessem o que aconteceria.
O autor nos trás um relato dos experimentos que foram realizados por Mengele, que após o fim da guerra fugiu para a Argentina e depois o Brasil, nunca sendo julgado.



O autor trás também os terríveis experimentos que os japoneses realizaram com os chineses, como o uso de gases tóxicos, armas biológicos, como antraz.
Com a ameaça constante de um ataque nuclear, ficava a dúvida sobre o quanto de radiação um ser humano suporta. Pacientes com câncer e crianças com déficit de aprendizagem, foram submetido a diversas quantidades e a vários tipos de materiais radioativos, claro que com o total desconhecimento dos participantes quanto as substâncias que estavam recebendo, bem como os possíveis efeitos desses materiais sobre eles.
Durante a Guerra Fria o clima tenso e a crescente paranoia com relação a espionagem, sendo investidos muitos recursos no setor de espionagens e contraespionagem. Parte desses recursos foram investidos num projeto de pesquisa sobre o controle da mente, que envolvia o uso de LSD e mescalina, e claro que as cobaias utilizadas eram      pacientes do Instituto Psiquiátrico do Hospital Bellevue.
Além desses experimentos, foi relatado o inconcebível teste sobre o efeito e evolução da sífilis no corpo humano, e as cobaias selecionadas eram membros de uma comunidade de negros em Tuskegee, no Alabama. O experimento, que deveria ser conduzido por apenas 6 meses, após os quais os envolvidos deveriam ser tratados, mas o experimento durou 40 anos, sem nenhuma assistência médica.
É assustador saber que muitos desses “cientistas” saíram como “inocentes” ou com penas brandas após compartilharem seus resultados com as nações que conduziram o seu interrogatório e julgamento.
Muitos desses experimentos só vieram a publico por que seus registros sobreviveram por acidente, e o presidente Bill Clinton ordenou uma investigação dentro da CIA com a abertura dos arquivos.
Esses experimentos são só a ponta do iceberg, já que os arquivos japoneses teve uma boa parte de seus documentos foram destruídos, bem como os arquivos da União Sovietica nunca foram abertos e sabe-se lá que tipos de testes foram realizados. Como já disse Sara Sidle, em CSI Investigação Criminal:




Então é isso, espero que tenham gostado, beijos e até a próxima.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Correio Coruja de Novembro


No post de hoje irei mostrar os recebidos de Novembro. Continuo na minha meta de diminuir o número de livros não lidos da minha estante. Então esse mês comprei apenas dois livros, ambos para as leituras em conjunto com as turmas do 6º Ano e do 7º ano.




Essa é uma adaptação do Diário de Anne Frank, com uma linguagem mais simples, além disso o livro possui várias ilustrações, inclusive um mapa em 3D da empresa e do esconderijo, que ajuda a compreender a dinâmica do Anexo.




No livro temos a emocionante história de Zezé, um menino de cinco anos, de uma família numerosa, que está passando por uma situação financeira difícil.


E vocês, o que compraram esse mês??? Espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Viajei com: Frritt-Flacc - Jules Verne


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o conto Frritt-Flacc de Jules Verne, que foi publicado em 1884.



Esse é um conto de suspense e terro, mostrando a versatilidade e Verne, que ficou famoso por seus romances de ficção cientifica. Nele temos o mesquinho e pavoroso Dr. Trifulgas, que presta serviços apenas a ricos, e se nega a atender os que não tinham recursos. A ambientação e o desenvolver da história são bem envolvente e interessante.
A história foi transformada em uma experiência interativa através de um aplicativo, disponibilizado de forma gratuita. O aplicativo conta com o conto, em inglês, espanhol e português, bem como informações sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da ONU, e atividades de reflexão, ciência e ação social sugeridas por professores e cientistas experientes.
O aplicativo consta com:

·       47 telas de conteúdo literário juvenil
·       14 telas de conteúdo informativo
·       atividades educativas propostas por educadores do Sesi Pr
·       experimento científico proposto por cientistas da Novozymes


Então é isso, espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Ciência Proibida - Salvador Nogueira - Parte 2


Tudo bem com vocês? Hoje irei fazer o post sobre a segunda parte do livro Ciência Proibida. Caso queria conferir o post da semana passada basta clicar no link.



Nessa segunda parte temos o desenvolvimento da bomba atômica e energia nuclear.



O avanço da ciência tem seus benefícios, como a vacina, antibióticos, aumento da expectativa de vida, mas como tudo na vida, tem seu lado bom e seu lado ruim.
A mesma virologia que desenvolve vacinas, erradica doenças como a paralisia infantil, também trabalha na criação de armas biológicas.



Muitos possuem a inteligência para criar a tecnologia, mas não possuem sabedoria para compreende-la, tema que foi muito bem explorado na obra Frankenstein de Mary Shelley.
Nessa parte o autor o autor aborda o desenvolvimento da tecnologia nuclear, que pode ser usada para a produção de energia, mas também foi utilizada para a produção de armas de destruição em massa.



Truman, o presidente americano na época, recebeu vários conselhos, para não utilizar a bomba de imediato, apenas como último recurso. Mas ele não acatou o conselho, e usando como justificativa a não rendição da Japão, utilizando as bombas em 1945, a Little Boy em Hiroshima no dia 06 de agosto e a Fat Man em Nagasaki no dia 09 de agosto. E o mais assustador é que havia um terceiro ataque para o dia 17, caso não houvesse rendição japonesa.
É claro que após a II Guerra Mundial houve uma intensa corrida armamentista, período conhecido como Guerra Fria, e com ela surge uma grande preocupação com o estrago que essas armas podem fazer. Quando questionado sobre essa corrida, Einstein disse a seguinte frase:




Afinal quem decide o que é certo e o que é errado? O que é moral e o que é imoral? Fica a eterna pergunta. Então é isso. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

TBR de Dezembro


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre minha TBR para o mês de Dezembro.



Nesse final de ano pretendo ler a trilogia Crônicas de Amor e Ódio, pois pretendo comprar o terceiro e último volume dessa trilogia que é bastante elogiada.






Pretendo ler também Anna e o Homem das Andorinhas de Gavriel Savit.
Cracóvia, 1939. Anna tem apenas sete anos quando seu pai, professor de linguística, é levado por soldados alemães. Ela então encontra o homem das andorinhas, uma figura misteriosa que, assim como seu pai, é capaz de se comunicar em vários idiomas, até na língua dos pássaros. Sem nada a perder, a garota decide segui-lo. Mas num mundo em guerra, tudo se prova muito perigoso. Até o homem das andorinhas”.
A sinopse me chamou muito a atenção e fiquei com muita vontade de ler.




E finalmente pretendo ler A Testemunha ocular de um crime da incrível Agatha Christie.





E você? O que pretendem ler nesse mês de Dezembro? Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Viajei com: O Meu Pé de Laranja Lima - José Mauro de Vasconcelos


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o livro O Meu Pé de Laranja Lima de José Mauro Vasconcelos.



No livro temos a história de Zezé, um menino de cinco anos, de uma família numerosa, que está passando por uma situação financeira difícil. Por conta disso, eles vivem se mudando, quando o aluguel começa a se acumular.
Zezé é um garoto inteligente, sensível, criativo e danado, vive aprontando todas, e tem uma imaginação muito fértil, e seu melhor amigo é um pé de laranja lima, que ele chama de Xururuca.
Esta é uma história muito comovente e tocante, Zezé usa sua imaginação para tentar escapar de sua triste realidade, e super recomendo.

Então é isso. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Ciência Proibida - Salvador Nogueira - Parte 1


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei começar uma série de postagem sobre o livro Ciência Proibida de Salvador Nogueira, que aborda a ética na Ciência, ou a falta dela. Para quem não sabe, eu sou formada em Ciências Biológicas e achei o tema bem interessante. O livro está dividido em sete temas, então serão pelo menos sete posts, um sobre cada tema. O primeiro deles é sobre a falsificação de dados durante uma pesquisa.



No livro autor aborda os trabalhos de Ptolomeu, de como seus dados que foram usados para afirmar que a Terra era o centro do nosso sistema solar foram aceitos por cerca de 1400 anos, e atrasaram muito o desenvolvimento da astronomia.
 
Ptolomeu




Temos também Colombo, que apesar de sua contribuição para a navegação e exploração marítima, teria usado os dados que lhe agradavam e convinham aos seus interesses, ignoram os que não lhe eram favoráveis, colocando a sua vida e de sua tripulação em risco.




Charles Dawson e o falso elo perdido, também conhecido com o homem de Piltdown. Dawson que foi um advogado britânico que atuava como arqueólogo, paleontólogo e geólogo amador. Em 1912 foram encontrados fragmentos de ossos nos cascalhos de Piltdown, endossados por Dawson como ossos humanos. Usando técnicas de reconstrução cranial. O resultado foi celebrado como uma nova espécie, anterior aos seres humanos, sendo um elo entre os seres humanos e seus ancestrais. Mas em 1949, novas técnica, mais eficazes de datação colocaram em xeque a descoberta, que foi declarada como fraude em 1953, na verdade os ossos eram uma combinação de osso humano e de um símio.




 Martin Fleischmann e Stanley Pons anunciaram em 1989 que haviam conseguido uma fusão a frio, que uma reação de fusão nuclear (a união de dois átomos, que formam um átomo com mais prótons). O processo de fusão libera muita energia, que poderia ser captada e utilizada para o abastecimento de cidades, mas o processo libera muito calor. Já na fusão a frio, a produção de calor seria bem menor. Apesar de várias tentativas muitos não conseguiram replicar o feitos de Martin e Pons, e os dados da dupla foram rejeitados. Mas em 2011 alguns cientistas afirmam terem obtidos êxitos em seus experimentos, o que gerou novo interesse pelo tema.




Victor Ninov, que trabalhava no Laboratório Nacional de Lawrence Livermore, anunciou a descoberta do suposto elemento 118 e do 116. Como não puderam replicar o experimento, publicaram uma retratação um ano depois. Em 2002, o diretor do laboratório anunciou que os dados haviam sido alterados pelo autor, Ninov. A descoberta oficial desse elemento foi confirmada pelo Laboratório Nacional de Lawrence Livermore em parceria com Instituto Conjunto para Pesquisa Nuclear da Rússia em 2006.
 
Victor Ninov a esquerda


E por fim, aborda os falsos clones do sul-coreano Hwang. Hwang Woo-souk esteve envolvido em vários escândalos, como falsificação de dados, afirmando ter conseguido células-tronco embrionárias a partir de células adultas. Seus resultados foram publicados na revista Science, que teve de emitir uma retratação quando foi descoberta a fraude. Além disso, ele foi acusado de obrigar suas assistentes a doarem óvulos para as pesquisas. Mas nem todas as informações publicadas pelo cientista são fajutas, ele foi responsável pela clonagem do primeiro cachorro, Snuppy.




Nas palavras do próprio autor “Numa nota pessoal, tenho de dizer que foi bem difícil, doloroso mesmo, repassar todos esses episódios sombrios e destacar os que ainda estão por vir. Quem visita o blog sabe que meu tom é sempre de otimismo com relação ao futuro da humanidade e de fato acredito nisso. Mas sei que esse futuro não virá de graça. Teremos de conquistá-lo, teremos de merecê-lo. E isso vai envolver não repetir erros do passado, nem se permitir grandes tropeços éticos e morais no futuro”.
Essa parte do livro me lembrou muito uma frase de Arthur Conan Doyle escreve em seus livros sobre Sherlock Holmes:



Muitas vezes o pesquisador está tão apaixonado por sua teoria que acaba utilizando apenas os dados mais convenientes, ou interpreta os dados da forma mais agradável a sua teoria, ou simplesmente age de má vez, chegando até a falsificar dados, para obter crédito, dinheiro e fama. Mas como muito bem colocou Salvador, a Ciência tem a capacidade de se auto corrigir, embora em alguns caso isso possa demorar um pouco.
É claro que a Ciência tem evoluído muito nos últimos tempos, bem como os métodos e instrumentos utilizados pelos cientistas, mas isso deve ser acompanhado também pela evolução da ética humana.
Estão é isso, espero que vocês tenham gostado e semana que vem eu volto com a segunda parte do livro. Beijos e até a próxima.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

TAG: Títulos Literais


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei uma TAG que vi no canal Minha Vida Literária da Aione. A TAG consiste em imaginar um título literal para um livro. Para essa TAG eu selecionei 7 livros, então bora começar...

Perdido em Marte
MacGyver em Marte.



Cidades de Papel
Ela não gosta de você. Aceita que dói menos.




Extraordinário
Extraordinário (o que eu posso fazer se acertaram no título?)




Dom Casmurro
Cabeça vazia, Oficina do diabo.




Caixa de Pássaros
A curiosidade matou o gato, agora vai matar uma anta.




A Bússola de Ouro
Amor a humanidade: o que ser isso?




O conde de Monte Cristo
Manual para escorpiano





Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Viajei com: O Mundo de Anne Frank - Janny van der Molen


Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o livro O Mundo de Anne Frank de Janny van der Molen. O livro foi adaptado do Diário de Anne Frank, utilizando uma linguagem mais acessível aos jovens leitores, além disso o livro possui várias ilustrações, inclusive um mapa em 3D da empresa e do esconderijo, que ajuda a compreender a dinâmica do Anexo.


Anne foi uma garota judia, que juntamente com a família (pai, mãe e a irmã), um casal de vizinho e seu filho, e um dentista se esconderam. O esconderijo era numa espécie de Anexo do prédio onde seu pai trabalhava e eles são ajudados por funcionários do prédio. O anexo que serviu de esconderijo foi transformado em um museu dedicado a Anne Frank e sua família.



O livro aborda alguns eventos antes da família se esconder, antes até dela ter ganhando o diário de aniversário, bem com os acontecimentos após a descoberta e prisão deles. A história de Anne e sua família é bem triste, principalmente quando percebemos todos os sonhos que Anne tinha, e sabendo como a história termina.

Então é isso pessoal. Espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Capas pelo Mundo - Trilogia Mundo de Tinta


Sabe aquele livro que você se apaixona ao olhar para ele??? Foi que aconteceu comigo ao receber os livros da trilogia Mundo de Tinta da Cornelia Funke, me apaixonei por essa trilogia quando abri a caixa da Submarino e retirei eles do plástico, as capas são lindíssimas, a edição também é muito LINDA, com ilustração das autora, a trilogia foi traduzida para 37 idiomas, mas não houve alterações nos títulos. Pensando nisso resolvi começar a fazer uma série de post aqui no blog, inspirada num vídeo da Pam Gonçalves, mostrando e comentando sobre as diferentes capas de alguns livros pelo mundo. Então vamos começar:

CAPAS ALEMÃS – ORIGINAL



A capa foi elaborada pela própria Cornelia e para mim são as mais lindas de todas. Elas apresentam iluminuras relacionadas à história e várias letras capitulares. E essas capas foram usadas em vários países, inclusive aqui no Brasil.


CAPAS AMERICANAS      



Na primeira capa vemos uma mão saindo do livro, bem com alguns animais, e uma espécie de castelo em chamas, representando os Incendiários de Capricórnio. Na segunda capa temos o que parece ser Ombra e uma cobra representando o Cabeça de Víbora. Na terceira capa termos uma caveira e o Castelo da Noite e unicórnio. Essas capas também foram bem usadas.


CAPAS ESPANHOLAS     



Na primeira capa vemos um livro com uma mão saindo do livro, uma fada e na parte de baixo vemos a cidade de Capricórnio. Na segunda vemos um livro e uma pena, e o que parece ser Meg e Farid chegando em Ombra. Na terceira capa vemos uma caveira, um pássaro, possivelmente Resa, um castelo, talvez o Castelo da Noite, vemos o que parece ser um gigante e um unicórnio saindo do livro. As capas são bonitas, mas ainda prefiro as originais.


CAPAS FRANCESAS 



São capas bem simples, não consegui identificar muitos elementos, na primeira capa temos o que parece uma cobra, ou uma cabeça de bode, não faço ideia... Na segunda capa temos um pássaro, que pode ser Mortola, a Gralha. Já na terceira temos uma flor e o que pode ser um animal não identificável. Definitivamente, não gostei dessas capas.


CAPAS ITALIANAS



Na primeira capa temos enfoque num coração, já segunda temos um enfoque numa serpente enrolada, representando Cabeça de Víbora, e na terceira capa um unicórnio, que o Cabeça de Queijo (Orfeu) lê para os ricos de Ombra.





Na Itália houve uma segunda edição dessa trilogia com novas capas. Na primeira temos o que parece ser Capricórnio em frente a um livro aberto. Na segunda temos uma serpente lutando com um leão, representando a luta entre Cabeça de Víbora e Cosme, já na terceira temos uma cobra e um unicórnio saindo de um livro, e devo admitir que não gostei dessas capas.


Então é isso, continuo preferindo as capas originais, que ainda bem foram utilizadas aqui no Brasil. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.