sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Ciência Proibida - Salvador Nogueira - Parte 2


Tudo bem com vocês? Hoje irei fazer o post sobre a segunda parte do livro Ciência Proibida.



Nessa segunda parte temos o desenvolvimento da bomba atômica e energia nuclear.



O avanço da ciência tem seus benefícios, como a vacina, antibióticos, aumento da expectativa de vida, mas como tudo na vida, tem seu lado bom e seu lado ruim.
A mesma virologia que desenvolve vacinas, erradica doenças como a paralisia infantil, também trabalha na criação de armas biológicas.



Muitos possuem a inteligência para criar a tecnologia, mas não possuem sabedoria para compreende-la, tema que foi muito bem explorado na obra Frankenstein de Mary Shelley.
Nessa parte o autor aborda o desenvolvimento da tecnologia nuclear, que pode ser usada para a produção de energia, mas também foi utilizada para a produção de armas de destruição em massa.



Truman, o presidente americano na época, recebeu vários conselhos, para não utilizar a bomba de imediato, apenas como último recurso. Mas ele não acatou o conselho, e usando como justificativa a não rendição da Japão, utilizando as bombas em 1945, a Little Boy em Hiroshima no dia 06 de agosto e a Fat Man em Nagasaki no dia 09 de agosto. E o mais assustador é que havia um terceiro ataque para o dia 17, caso não houvesse rendição japonesa.
É claro que após a II Guerra Mundial houve uma intensa corrida armamentista, período conhecido como Guerra Fria, e com ela surge uma grande preocupação com o estrago que essas armas podem fazer. Quando questionado sobre essa corrida, Einstein disse a seguinte frase:




Afinal quem decide o que é certo e o que é errado? O que é moral e o que é imoral? Fica a eterna pergunta. Então é isso. Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário