segunda-feira, 2 de abril de 2018

Viaje com: A Escola do Bem e do Mal - Soman Chainani



Tudo bem com vocês??? No post de hoje irei comentar sobre o livro A Escola do Bem e do Mal de Soman Chainani, primeiro volume da trilogia A Escola do Bem e do Mal. Todos o livros dessa trilogia já foram lançados no Brasil, Mundo sem príncipes e Infelizes para sempre.



Resenha: No povoado de Gavaldon, a cada quatro anos, dois adolescentes somem misteriosamente há mais de dois séculos. Os pais trancam e protegem seus filhos, apavorados com o possível sequestro, que acontece segundo uma antiga lenda: os jovens desaparecidos são levados para a Escola do Bem e do Mal, onde estudam para se tornar os heróis e os vilões das histórias.
Sophie torce para ser uma das escolhidas e admitida na Escola do Bem. Com seu vestido cor-de-rosa e sapatos de cristal, ela sonha em se tornar uma princesa. Sua melhor amiga, Agatha, porém, não se conforma como uma cidade inteira pode acreditar em tanta baboseira. Ela é o oposto da amiga, que, mesmo assim, é a única que a entende. O destino, no entanto, prega uma peça nas duas, que iniciam uma aventura que dará pistas sobre quem elas realmente são.
Este best-seller é o primeiro livro de uma trilogia que mostra uma jornada épica em um mundo novo e deslumbrante, no qual a única saída para fugir das lendas sobre contos de fadas e histórias encantadas é viver intensamente uma delas.


Gostei? De uma forma geral sim. Amei??? Não. Pretendo terminar a trilogia??? Talvez, pretendo ler o segundo livro, Mundo sem príncipes, se não curtir abandonarei a trilogia. Vamos às considerações:
Os personagens parecem mudar de personalidade com muita frequência, fiquei com aquela sensação que eles não tinham essência. Algumas coisas que poderiam ser resolvidas rápido acabaram se arrastando, e em consequência os acontecimentos finais ficaram muito corrido, tudo se resolvendo muito rápido, muito abrupto.
O livro trás algumas reflexões que achei interessante, tais como não julgar pela aparência, todos nós temos luz e trevas dentro de nós. Além de trazer alguns questionamentos sensacionais: por que a princesa deve sentar e esperar o resgate? Por que sempre é o príncipe que tem a última palavra? Por que toda menina precisa de um príncipe, mas os príncipes tem a escolha de ficar sozinho? Mas ao mesmo tempo temos meninas brigando por garotos.



Achei sensacional a cena da Agatha se aceitando como é, se achando bela sendo que ela é. Vi muitas pessoas criticando a Agatha por ter se apaixonada por um garoto, mas não vejo problema disso, não creio que para ser #girlpower a mulher não deva se relacionar com ninguém, ou se relacionar com outra mulher, e sim se aceitar como é, não deixar ninguém decidir sua vida por você, e nesse quesito infelizmente Agatha deixa a desejar.
Achei os alunos da escola do Mal mais interessante, com mais personalidade, já os alunos da escola do bem em sua maioria são fúteis, que pensam apenas em beleza, romance, os garotos em se tornarem bombados e as garotas em esperar o príncipe encantado... Queria saber mais sobre o diretor da escola, a origem da própria escola, talvez estas questões sejam resolvidas nos próximos volumes, motivo pelo qual irei continuar lendo essa trilogia.
Achei a construção do cenário muito bem feita, a narrativa é bem vívida, nos permite imaginar a cena com bastante clareza. As ilustrações no começo dos capítulos combinam muito com esse clima de contos de fadas, algo que acontece na minha trilogia queridinha do meu coração, Mundo de Tinta.



As capas dessa série são muito lindas. A diagramação está muito boa, com espaçamento legal, letra de um tamanho confortável para a leitura e claro um mapa da escola.



Então é isso, espero que vocês tenham gostado, beijos e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário