segunda-feira, 15 de abril de 2019

Viajei com: O Nome da Rosa - Umberto Eco - PLM #21



Tudo bem com vocês??? No post de hoje iremos conversar sobre o SENSACIONAL “O nome da rosa” do Umberto Eco. O livro foi publicado pela primeira vez em 1980, com o título Il nome dela rosa, eu li na edição da editora Record de 2015, com tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade.
Esse livro foi lido para o Projeto Lendo o Mundo representando a Itália. Como estou AMANDO esse projeto, está sendo incrivelmente enriquecedor.

 


Sinopse: Mais importante romance de Umberto Eco, “O nome da rosa” chega em nova edição. É o relançamento do famoso suspense policial de Eco, com um roteiro no estilo das histórias de Conan Doyle, e que alcançou sucesso mundial em desde sua primeira publicação, em 1980. O livro também originou o filme homônimo, estrelado por Sean Connery, em 1986. A nova edição conta com tradução revista, novo projeto gráfico, prefácio do escritor inglês David Lodge e bibliografia.
Neste livro, durante a última semana de novembro de 1327, em um mosteiro franciscano italiano, paira a suspeita de que os monges estejam cometendo heresias. O frei Guilherme de Baskerville é, então, enviado para investigar o caso, mas tem sua missão interrompida por excêntricos assassinatos. A morte, em circunstâncias insólitas, de sete monges em sete dias, conduz uma narrativa violenta, que atrai por seu humor, crueldade e sedução erótica.
Não apenas uma narrativa sobre investigação de crimes, “O nome da rosa” também é uma extraordinária crônica sobre a Idade Média.


Já deixando claro que nesse post não tenho a menor pretensão de fazer uma dissertação, artigo, análise ou algo do gênero sobre esse livro, essa é apenas uma conversa despretensiosa e informal.
O livro é narrado por Adso, um monge já idoso, e que resolveu contar a curiosa experiência que viveu em sua juventude junto com seu mentor, Guilherme de Baskerville.
Guilherme e Adso chegam a uma abadia italiana, conhecida por ter a maior biblioteca de toda cristandade, e Guilherme participará de um concílio, com o objetivo de apaziguar os ânimos.
Aproveitando a presença de Guilherme, conhecido por sua sagacidade e astucia, o abade o encarrega de investigar a morte de um dos monges copistas. A partir desse acontecimento muitos outros vão se desenrolando de forma SENSACIONAL.
Eu sei que o tamanho dessa obra pode assustar, afinal são mais de 500 páginas, sem falar nas inúmeras e tão temidas passagens em latim e da linguagem que remete a época em que se passa a história. Mas não deixe que isso te afaste desse livro INCRÍVEL, pois hoje temos as passagens em latim traduzidas na internet, e ao final dessa leitura seu vocabulário terá enriquecido de uma forma absurda, pois a escrita de Umberto é muito envolvente e rica.
Por ser um livro extenso e com uma linguagem que demanda mais tempo, acabei dividindo a leitura ao longo do mês de Março, e acabei gostando muito da experiência de leitura espaçada.
Eco faz uma homenagem a Sherlock Holmes na figura de Guilherme de Baskerville (O cão de Baskerville é um dos livros mais conhecidos de Conan Doyle) e a Watson na figura de Adso, noviço que acompanha Guilherme, e a Jorge Luiz Borges na figura do venerável Jorge de Burgos, que é um monge cego muito ligado aos livros.
Não podemos deixar de mencionar as discussões filosóficas desenvolvidas ao longo da narrativa, pois o livro vai MUITO além das questões “quem matou?”, “por que matou?”, o autor usa a investigação e o mistério como pano de fundo para trazer discussões sobre racionalismo, desenvolvimento científico, conhecimento e poder - MARAVILHOSO.
É visível a extensa pesquisa feita pelo autor e a sua preocupação com a verossimilhança não apenas dos fatos históricos (com uma excelente caracterização da idade média) como também dos acontecimentos fictícios, se preocupando com o ritmo dos diálogos, posicionamento dos personagens, ambientação da história e tempo decorrido entre um acontecimento e outro – partes essas que eu achei maravilhosa.
O livro recebeu uma adaptação cinematográfica em 1986, com Sean Conney como Guilherme, e Christian Slater como Adso. Gostei muito da adaptação, apesar das alterações e cortes feitos, mas é compreensível, pois são 500 páginas para serem contadas em duas horas de filme.
Então é isso, espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

15 comentários:

  1. Oiee!

    Que edição mais linda!! Eu tenho em uma mais antiga e há tempos estou ensaiando de ler essa obra. Acho que é pelo tanto de páginas e por receio da linguagem, mas lendo sua resenha me senti animada, parece ser uma leitura bastante instigante e eu confesso que fiquei curiosa pelo mistério e pela parte filosófica.
    Vou tentar desencalhar da estante ainda esse ano. Excelente resenha, vc passou muito bem do livro.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Logo depois que comprei vi lançaram uma nova edição, lindíssima. Depois me conte o que achou. beijos.

      Excluir
  2. É um clássico ne! Tem que ler!
    Eu admiro essa riqueza de detalhes narrativos e linguisticos, não me assustam, nunca li essa obra por não ter pego em mãos mesmo, mas tenho muita vontade!
    Amei as considerações!

    Osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito envolvente, creio que irá gostar da experiencia. Depois me conta o que achou. Beijos.

      Excluir
  3. Oie! Primeiro que eu adorei o projeto Lendo o Mundo, às vezes a gente se fecha e lê livros de autores de uma única região, esquecendo que há tantas outras preciosidades esperando por nós de todo o mundo. Eu não conhecia esse livro ainda e fiquei muito feliz de ler a sua resenha e poder conhecê-lo. Com toda certeza já foi para a lista de desejos, o fato dele ter mais de 500 páginas não me assusta, só me empolga ainda mais. Ótima resenha, adorei a recomendação <3

    http://abducaoliteraria.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Estou cada vez mais apaixonada por esse projeto, tem sido muito enriquecedor. Beijos.

      Excluir
  4. Eiiii,

    Necessito ler este livro, já está na minha listinha giganta. Adorei as referências e homenagens ao autor Arthur Conan Doyle e é muito bacana saber que o livro vai além do mistério sobre o assassinato. Já imagino o quão rica deve ser esta narrativa, e acho bacana ler este livro aos poucos mesmo, sem pressa para apreciar melhor a trama e a escrita do autor. Amei suas impressões!

    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, esse livro é daqueles que devem ser degustado, apreciado. Curti muito a experiencia. Beijos.

      Excluir
  5. Oie.
    Eu espero ler esse livro em breve, pois gostei bastante da adaptação. As temáticas levantadas e as filosofias apontadas no enredo me chamam muita atenção. A densidade da narrativa e o certo grau de religiosidade também contribuem para esse sentimento.
    Adorei a resenha.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, foi uma leitura muito enriquecedora culturalmente falando, vale muito a pena. Beijos.

      Excluir
  6. Esse projeto deve ser maravilhoso mesmo!
    Nunca li nada sobre monges ou algo até mesmo referindo-se a Italia, mas estou com um livro aqui para ler e já estou super ansiosa.
    Também gosto de discussões filosóficas e espero ler esse livro em breve, bjus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou cada vez mais encantada com esse projeto, tem sido muito enriquecedor. Beijos.

      Excluir
  7. Oiiii,
    Eu namoro esse livro há um tempo. Fiquei muito curiosa com a sua resenha. Realmente, a quantidade de páginas e a linguagem as vezes assustam, principalmente em se tratando de obras clássicas, mas também gosto de me desafiar. Gostei das suas colocações e de saber um pouco mais sobre a história. Gente, eu amo Sherlock e Luiz Borges, achei lindo o Umberto homenagear eles 😍❤️
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sherlock é MUITO AMOR. Sair da zona de conforto é sempre bom. Beijos.

      Excluir
  8. Sempre escuto falar desse livro, todos dizem que é um livro maravilhoso que acrescenta muito na nossa bagagem cultural e de palavras , hahaha com certeza eu AMO a parte em que se faz homenagens aos amados personagens e amigos de Holmes , com certeza um livro que quero ler com muito entusiasmo!!

    Isa do @leportraitdeisa

    ResponderExcluir