segunda-feira, 1 de junho de 2015

Viajei com: O retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde PLM #4


Olá, olá, olá... Hoje irei falar sobre o livro O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde, que foi o livro desafio do mês de Abril no Desafio Literário de 2015 e representou a Inglaterra no PLM, caso não saiba do que estou falando é só clicar nos links...


Bem, antes de começar, devo avisar que esse será um dos posts mais difícil de escrever, por vários motivos: primeiro por que ainda não sei como me sinto em relação a esse livro, creio que será necessária uma releitura para isso. Segundo, devido ao meu tempo para fazê-lo, que é curto: trabalho, TCC, etc., estão me consumindo... Levando esses fatos em consideração, vamos aos comentários.
A obra foi publicada originalmente como uma história periódica em julho de 1890 na revista mensal Lippincott's Monthly Magazine. Por imposição dos editores, a obra foi revisada por Wilde e publicada como um romance em 20 capítulos em 1891. Dessa forma O Retrato de Dorian Gray existe em 3 versões, a edição que foi publicada na revista de 1890 (alterada), a edição em forma de romance (alterada) e a edição “original” como Wilde idealizou. A edição que li foi o romance alterado, da Editora Abril.
Dorian é um rapaz extremamente bonito que encanta a todos com sua beleza, mas a meu ver é fútil e totalmente influenciável – assim como um retrato que pode ser pintado como o artista bem entender.
Inspirado pela beleza do jovem, seu amigo Basílio faz um retrato de Dorian, que se torna sua obra-prima, onde consegue capturar toda a essência e beleza do modelo.
Por intermédio de Basílio, o jovem é apresentado a Lord Henry, um aristocrata, que é um belo exemplo do pensamento vigente na época, tanto no que diz respeito as mulheres, como a vida em sociedade, e para mim, ele foi de longe o personagem mais marcante da historia, e com seu cinismo irritou-me profundamente...

“– Meu caro amigo, nenhuma mulher é gênio. As mulheres são um sexo decorativo. Não tem nunca nada a dizer, mas dizem-no de um modo encantador. As mulheres representam o triunfo da matéria sobre a inteligência, exatamente como os homens representam o triunfo da inteligência sobre os costumes.”

Impressionado com uma conversa que teve com Lord Henry (que sempre exerceu influência sobre Dorian), o rapaz se desespera com o fato de que sua beleza se perderá com o tempo, já seu retrato permanecerá intacto, e deseja que o retrato possa envelhecer em seu lugar e que ele permaneça belo e jovem.
É nesse momento que algo bizarro ocorre. Por um motivo desconhecido esse desejo se realiza e embora faça muitas loucuras nenhuma ruga, nenhuma ferida, nenhuma marca é acrescentada em seu corpo e sim ao quadro, o que é muito interessante de se observar. Esse é o enredo básico da narrativa, o que acontece a partir daí, o desfecho só lendo para descobrir.
Vale lembrar que a obra foi escrita no período vitoriano, época em que as aparências valiam mais que tudo (o que acontece até hoje), e traz fortes críticas a esse hábito da sociedade desse período, como vemos nessa fala de Dorian:

No entanto, estes escândalos segredados só aumentavam, aos olhos de muitos, o seu estranho e perigoso encanto. A sua enorme fortuna era um certificado de confiança. A sociedade, pelo menos a sociedade civilizada, nunca está predisposta a acreditar em tudo o que seja em detrimento daqueles que são simultaneamente ricos e fascinantes. Sente instintivamente que as maneiras são mais importantes do que a moral, e, em sua opinião, a respeitabilidade, por muito grande que seja, tem muito menos valor do que possuir-se um bom chef. E, afinal de contas, não serve de consolação dizer-nos que o homem que nos ofereceu um péssimo jantar, ou um vinho de má qualidade, tem uma vida privada irrepreensível. As próprias virtudes cardeais não podem resgatar entrées quase frias, como uma vez observou Lord Henry num debate sobre o assunto, e provavelmente haverá muito a dizer em abono da sua opinião. Os cânones da boa sociedade, na verdade, são, ou deveriam ser, os mesmos que os da arte. A forma é-lhe absolutamente essencial. Devia ter a dignidade inerente a uma cerimónia, bem como a sua irrealidade, combinando o carácter insincero de uma peça romântica com o espírito e a beleza que tornam essas peças tão deliciosas para nós. Será a insinceridade assim tão terrível? Creio que não. É simplesmente um método que nos possibilita multiplicar as nossas personalidades.

Como já havia mencionado, Dorian me pareceu um rapaz ingênuo, fútil e superficial, mas que ao descobrir que ficaria jovem, apesar de tudo ele se mostrou uma pessoa depressível... O que me lembrou do ditado “Quer conhecer uma pessoa, então dê poder a ela”.
Uma pergunta que a obra levanta é o qual benéfico ou maléfico pode ser a influência de uma pessoa sobre a outra? Tudo que Dorian fez, todas suas ações foram motivadas por influência de outra pessoa, ou ele já era assim em sua essência???

Espero que tenham gostado...
Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.

2 comentários:

  1. Esse é um dos livros que tenho vontade de ler, pois vi o filme antigo e me pareceu fiel, mas como não li não sei.....acho que essa questão da beleza é muito pertinente, mas bem profunda na verdade....a influência é complicada, mas acho que tudo depende da "outra" pessoa, ela quer se deixar influenciar?
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda estou processando a leitura, pretendo reler (agora a edição sem censura) para formar uma opinião melhor. Sobre a influência creio que há a vontade de se fazer e a outra pessoa (a má influência) só dá um empurrão. Beijos.

      Excluir